CBD e Luto: A história de Elise

Post hoje

O luto é um assunto que nos tocará a todos em algum momento das nossas vidas. Quer tenhamos sofrido perdas directa ou indirectamente, o processo de luto pode ser avassalador.

Elise Fletcher teve de superar muitas mudanças na sua vida no último ano, uma vez que perdeu recentemente a sua mãe. Nesta entrevista, discutimos como o CBD a ajudou a navegar no luto e a lidar com as suas emoções, e como a sua carreira como yogi a ajudou.

Para saber mais sobre a viagem de Elise, consulte a sua mais recente aparição no podcast. Podcast – A luta de um iogue para encontrar a paz

Elise Fletcher – Fotógrafa: Nick Eucker para SoulCycle

P: Olá Elise, é um prazer explorar este assunto consigo. Deseja começar por partilhar a sua experiência deste último ano?

Oferta de boas-vindas

omente para novos clientes, oferecemos o seguinte código para 12% de desconto em seu primeiro pedido.
* Válido para todos os produtos da Nordic Oil

Óleo de CBD 15%
Icons/UI/fast-delivery Entrega rápida
Icons/UI/plant Feito pela natureza
Icons/UI/security Pagamento seguro

É difícil de descrever. Durante a pandemia, perdi um parente, pelo que o luto desempenhou um grande papel neste último ano. Uma perda de segurança financeira também me atingiu duramente. As indústrias de fitness e yoga não foram apoiadas, e havia tanta incerteza mesmo quando as coisas reabriram de novo.

Tive de enfrentar muitas transições, e voltar à terapia. Aprender limites com os outros, num sentido pessoal e profissional, era muito para lidar. Num ano, perdi a minha mãe, mudei-me duas vezes pelo país e fiz o meu curso de Soulcycle. E agora estou a trabalhar com o BreadxButta em Brooklyn, NY. Ensino yoga a tempo inteiro, e sou assistente pessoal de alguém que tem uma botânica, por isso posso trabalhar em estreita colaboração com o CBD.

P: O que sentiu ao expressar a sua experiência aos outros?

Sinto uma desconexão, pois as pessoas põem-me num pedestal. No outro dia, cruzei-me com uma professora de yoga que é uma nova mãe, e tive de me acalmar. É importante partilhar e falar sobre o luto, e é importante falar e normalizar. No entanto, noto que as pessoas têm dificuldade em falar com alguém que tenha ficado traumatizado desta forma. Estou a reparar que as pessoas não sabem como manter o espaço, mesmo que o queiram. Mas, sinto que quando posso entregar esta verdade fundamentada em quem apareço, os outros sentem que também podem falar sobre ela.

P: Como é que a sua experiência emocional de luto mudou a sua percepção de si próprio?

O problema do luto é que na realidade ele não vai a lado nenhum. É difícil de compreender até que o experiencie. Não é tristeza, ou comparável a qualquer sentimento sobre alguém. Nesse caso pode livrar-se das emoções. O luto é algo que se aprende a deslocar-se dentro de si, não fora de si. O luto nunca sai do corpo, apenas se aprende a compreendê-lo melhor e onde ele se encontra dentro de si. Apenas a encontra onde ela está. Dando-me espaço para aceitar que isto vai existir para o resto da minha vida, é uma história que faz parte da minha história. Não se trata necessariamente de deslocar a minha dor para fora de mim, mas sim de saber onde ela se encontra dentro de mim.

P: Qual foi a sensação?

Sinto-me muitas vezes congelado de exaustão. Sinto-me simplesmente drenado do nada. Fisicamente, pode estar em boa saúde, mas o luto energético pode ser tão drenante, porque a sua mente está a correr desenfreadamente a tentar dar-lhe sentido.

Parece realmente uma experiência fora do corpo, como se o que se sabia já não fosse real. E faz-nos pensar mais sobre a nossa própria mortalidade também. Esses sentimentos podem realmente fazer-nos congelar, ou podemos ir para o outro lado do espectro, e viver realmente porque compreendemos que todos têm uma linha temporal.

P: Como é que o CBD o ajudou a ter o luto?

O CBD ajuda-me no luto, no sentido em que me permite descansar. O luto traz-me ansiedade e o CBD permite-me realmente pausar, e sentir o meu corpo. Posso relaxar em vez de estar no limite. O luto manteve-me nervoso no início, e o CBD ajudou-me a me reconectar, o que tem sido realmente útil.

P: Como é que o CBD o tem ajudado como atleta?

O Óleo de CBD com Curcumina e Piperina tem sido espantoso depois das minhas práticas diárias; tenho realmente notado as propriedades anti-inflamatórias. O creme Freyja também tem sido útil para as erupções cutâneas provocadas pela ansiedade. Utilizo o óleo de CBD de 15% com cocktails não alcoólicos como Bonbuz quando quero uma bebida mas tenho de actuar com trabalho.

P: Ser um atleta permite-lhe ir mais longe com as suas emoções e encarná-las de uma forma diferente?

Penso que para os atletas, as nossas emoções são o nosso combustível. O atletismo permitiu-me passar tempo com a minha dor de uma forma positiva. Também pode ser um momento para sair da minha cabeça e concentrar-me no meu corpo. Ter uma experiência somática permite à mente tirar algum tempo ao luto, e lembra-me que ainda tenho uma vida. O CBD faz-me voltar e lembra-me que ainda estou aqui. Tem sido de grande ajuda.

P: O que o tem ajudado a sentir-se conectada?

Respiração, apenas tirar um segundo e fechar os meus olhos, e o CBD. Também saber e confiar que o que estou a sentir agora não é para sempre. Quando sinto que não consigo regular as minhas emoções, apenas tento e deixo-me sentir e cavalgar a experiência.

P: Em quem aprendeu a confiar?

Aprendi realmente a confiar em mim próprio. Não posso contar com a minha família, tenho alguns amigos próximos em quem confio, e com a minha fé. A fé é uma coisa boa. Confio em coisas que não consigo ver, a minha prática espiritual tem sido importante. Confiar em pessoas que aparecem por mim quando nem sequer a peço. Confiar nos meus dons e nos meus talentos sem esforço, e confiar naqueles que fazem o trabalho quando eu não o posso fazer.

Atleticamente, quando não tenho energia para dar, posso subir numa bicicleta e não fariam ideia de que estou a ter um dia mau. Quando se tem de sobreviver, faz-se o que se tem de fazer. Passar da sobrevivência à prosperidade pode ser apenas surreal. É tudo ainda um trabalho em curso.

Quando estou a usar o CBD, sei que estou a tomar conta de mim, porque é memória muscular. Qualquer coisa da terra, como cannabis ou CBD, ajuda-me a ser eu, e ajuda-me a não ficar tão ansioso na minha mente. O CBD acalma-me e alivia-me um pouco para que não caia em padrões de pensamento inúteis ou não me deixe dominar pelo que estou a sentir. Na verdade, tem sido uma mudança de jogo.

Conecte-se com usuários de CBD no Facebook
Quer saber mais da experiência de outros usuários do CBD? Você tem perguntas sobre o CBD? Há um grupo ativo de CBD no Facebook.

Publicado por Paula Stipp

Nascida em São Paulo, Brasil, Paula é formada em Publicidade e Propaganda e hoje mora em Munique, Alemanha. Começou sua jornada com o CBD há quase dois anos na Nordic Oil. Além de sempre se atualizar sobre as novidades do CBD, Paula também compartilha sua experiência com seus clientes de Portugal e do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *